Portal AuToCaRaVaNiStA - Grupo AuToCaRaVaNiStA Português - O SEU PORTAL DE AUTOCARAVANISMO INDEPENDENTE SEMPRE CONSIGO.

BUSTELO - MOSTEIRO - PENAFIEL

Apontamento AuToCaRaVaNiStA:


O Mosteiro de S. Miguel de Bustelo, está situado na Freguesia de Bustelo, pertencente ao Concelho de Penafiel, Distrito do Porto, Portugal. Como grande parte dos Mosteiros e Conventos está situado num local puramente rural. A estrada abriu ao meio o Aqueduto que abastecia a agua ao Mosteiro, que diga-se tem as suas paredes  apenas escoradas, já com placa, para segurar, mas bastante danificado. Pelo andamento não me parece que haja verba tão cedo para reabilitar este espaço. Já a igreja, está restaurada, mas encontrava-se fechada.



             HISTÓRIA:

O Mosteiro de Bustelo, situado na Freguesia do mesmo nome e distando da Cidade de Penafiel apenas 3 km, tem a sua história desconhecida para uma grande parte da população.
De traça barroca, aparece-nos isolado na paisagem campestre, com a Igreja de um lado e, a fazer “L”, o corpo do Mosteiro, bastante degradado, do outro.
Sofrendo profunda reforma no Séc. XVII, fontes há a apontar a existência de um anterior Mosteiro, românico, com fundação em 1065 o qual teria dado origem ao actual Mosteiro.

Estando em permanentes obras até ao início do Séc. XIX, tem a primeira pedra lançada a 13 de Agosto de 1633. Durante a sua existência, o Mosteiro pertenceu à Ordem de São Bento, sendo por isso, habitado por Monges Beneditinos.
A chefia do Mosteiro cabia a um Abade eleito por um triénio, o qual tinha a obrigatoriedade da apresentação do relatório de contas trienal.
Dependendo este Mosteiro directamente do Mosteiro de Tibães em Braga, consegue-se saber da existência de actividade no Mosteiro em 1629, a qual se terá prolongado até 1822, altura em que foi emitido o último relatório.


Entre esta data e 1834, data em que as Ordens Religiosas foram extinguidas, desconhece-se o que se terá passado nestes 12 anos. A partir daí a ruína apoderou-se de uma parte do Mosteiro, tendo chegado ao final do Séc. XX, quase sobrando apenas as paredes.
Felizmente já se prevê a reconstrução, uma difícil caminhada, que o Mosteiro de Bustelo legou às gentes do Séc. XXI.
Nos finais dos anos 50 do passado século XX, A. Guimarães, escreve um artigo sobre o Mosteiro.


É, em muito, com base nesse artigo, que se passa a expor:
“É agradabilíssimo o passeio pelas estradas fora, cheias de sombras acolhedoras.
É de velha usança a realização de casamentos à capucha na antiga Igreja de Bustêlo; nanja que hoje assim seja, pois tudo é de dar nas vistas e por isso os noivos acorrem às igrejas mais frequentadas, para se mostrarem e à comitiva.”.
Fica o vetusto Mosteiro no centro da Freguesia, tendo largo adro no interior do “L” que faz com a Igreja e de onde lindas vistas que prendem até ao horizonte.

Imponente escadaria de pedra, muito ampla e bem lançada, conduz junto ao elegante cruzeiro de granito.
É ali que se realiza uma das mais típicas romarias do Norte; a Nossa Senhora da Saúde, que tem lugar na Segunda-feira de Páscoa.
As raparigas ocorrem de todas as bandas aos milhares e milhares, apinhando-se junto à igreja, estendendo-se a perder de vista pelos campos e montes, com os seus farnéis, toalha branca a «manchar» os verdes garridos.
A romaria prolonga-se desde o dealbar até ser noite fechada em constante animação, com o cantar das novenas à porfia: «A Senhora da Saúde, deita as fita a boar...».

Os cânticos da gente moça das aldeias ecoam noite fora, e grande é a crença das moçoilas pela Santa que ali se venera no seu altar.
É muito velhinho o Mosteiro de Bustelo - já se dera pela sua existência no ano de 1065.
Sendo seu Orago, S. Miguel Arcanjo ali é invocado, e por cima da porta da Igreja, como que a protegê-la, num pétreo nicho está colocado.
S. Bento, é venerado na Igreja cheia de relíquias, onde os folares eram oferecidos, na primeira oitava da Páscoa, pelos habitantes da antiga Arrifana de Sousa.

Assim está nos antigos manuscritos, onde também se pode ler que as Freguesias de Croca, Santa Marta e Melhundes, (assim se chamava na época) à Igreja do Convento de Frades Bentos estavam anexas, sendo que as duas primeiras tinham obrigação de virem assistir à Missa Principal desta Igreja, nas quatro festas do ano.
Abrangendo, a Freguesia de Bustelo, parte das de Croca e Novelas, do Concelho de Penafiel e Meinedo, do Concelho de Lousada, era couto dos Frades locais, sendo o mesmo constituído por 340 fogos e 43 aldeias. O Pároco, tinha sempre de ser um Frade, com direito a Coadjutor - clérigo secular – sendo-lhe atribuído um rendimento anual de cem mil reis
.
Sendo donatário do couto o D. Abade do Convento fazia eleger, no primeiro dia de cada ano, um Juiz Ordinário do Civil e Órfãos, podendo haver apelação das decisões para o D. Abade como ouvidor.
As audiências tinham lugar em formosa «casa». Sendo o Porteiro eleito pelo Juiz, já o Procurador, o Meirinho, o Quadrilheiro e mai-lo Jurado eram eleitos, por votação, pelo povo.
No final, todos prestavam juramento nas mãos do D. Abade.
A fundação do Convento de Bustelo segundo velhos alfarrábios, ter-se-ia dado pelos anos de 900, pela mão de um filho de D. Fayão Soares, (fundador de Penafiel), antepassado de marqueses de nomeada, e do famosíssimo Rey Dias de Bivar, o «Cid».
O Séc. XVII, nos seus finais, assiste à reedificação da sumptuosa Igreja de estilo barroco - jesuítico, de artísticas talhas e transepto - cruciforme.
Entre algumas curiosidades que aos arqueólogos dizem respeito, citaremos a existência de uma pedra tumular Visigótica do Séc. VII, em uma das paredes do Claustro.
Outras pedras, a que se atribui incalculável valor, de pórtico romano, foram encontradas agora nas paredes da Igreja e dali retiradas.
Serão, porém, ali guardadas em Museu.
Junto à Igreja, com colunas dóricas estilo renascença e tendo uma taça a erguer-se no seu meio, o Claustro, tendo sido começado pelo lado Poente em 1635 e tendo a sua conclusão com o lado Nascente em 1689, demorou mais de meio século a ser construído.
Este lanço final implicaria a destruição de uma Capela dedicada a São Tiago.
A obra do Claustro ficou completa no triénio de 1777-1780 com a colocação de uma estátua de Hércules e servindo como chafariz as sete bocas das “hidras” sobre as quais se apoia o deus pagão.
De notar ainda que a representação de Hércules é frequentemente confundida pela de São Miguel, seu “sucessor” e Padroeiro da Paróquia de Bustelo, derrotando Lúcifer.
A última grande obra dos Beneditinos no Claustro do Mosteiro, terá sido a reforma de um dos lanços, entre 1816 e 1819, por este ameaçar ruir.
A rematar o lado Norte do Claustro e virado a Sul, com data de colocação desconhecida, um relógio de sol.
Sabe-se que as obras do edifício do Mosteiro foram anteriores às da Igreja. As obras teriam começado pela portaria e galeria estendendo-se depois para o lado Norte.
A porta na fachada do edifício que, do interior do Claustro, dava acesso ao terreiro, fez-se em 1638, tendo a mesma recebido benefícios de assentos de pedra lavrada para os três lados em 1653.
Novas portas lhe são construídas sendo as mesmas substituídas por outras em 1764, ano em que, de cada lado da porta se construíram duas janelas de ferro grandes.
Em 1650, um painel de S. Bento é colocado sobre a portaria e, aproveitando-se as obras, sobre a janela da escada foi colocado um outro de Santa Escolástica, sua irmã.
Finalmente, em 1777 abaixou-se a Portaria do Carro, construindo-se por cima uma varanda com pilares de pedra e uma janela.
A rematar o conjunto, um frontão triangular em cujo tímpano se colocou o brasão de São Bento.
Deste modo se concluiu a frontaria do Mosteiro.
Em 1680 juntamente com as obras do terreiro da portaria construiu-se o Cruzeiro.
A primitiva igreja possuiria apenas uma torre, tendo o frontispício ficado com duas torres laterais como hoje se vêm, após as obras de reedificação.
Sabe-se da sua existência desde 1713 e, devido sobretudo a raios de trovoada sofreram vários consertos, pelo menos até 1800.
Os seus sinos foram colocados em 1716 e, sem que se conheça a data, também um relógio foi colocado numa das torres, conhecendo-se porém parte da sua existência através da data do conserto que sofreu entre 1804 e 1807.
No interior do velhíssimo templo, deparamo-nos à entrada com a Pia Baptismal tendo por fundo uma imagem representativa do Baptismo de Jesus.
Caminhando pela Nave Central logo se nos prende a atenção com o Altar-mor, finamente trabalhado em riquíssima talha dourada.
A influência da talha da Capela-mor da Igreja de Santo Ildefonso de autoria de Nicolau Nazoni é aqui notada.
À sua direita a imagem do Padroeiro S. Miguel, e à esquerda a de S. Bento, fundador da ordem Beneditina.
Do lado do Evangelho, o Altar de Nossa Senhora do Rosário onde, no nicho do meio está a Senhora do Rosário, num dos lados as Santas Mães e no outro a Santa Gertrudes.
Neste corpo, existe saída para o Claustro e uma comunicação com a Sacristia com Altar de Jesus Crucificado. 
Do lado da Epístola, a imagem de São Bento, que dá o nome ao Altar, tendo de um lado Nossa Senhora da Saúde e do outro Santo Amaro.
O outro Altar, também do lado da Epístola, consiste num Sacrário, adornado por dois Anjos, onde se colocou o Coração de Jesus no meio de um resplendor de raios de luz.
No corpo da igreja existem quatro Altares, sendo que um dos do lado da Epístola é em forma, inferior aos outros.
Nele se representam cenas do Purgatório, sem colunas. Actualmente no nicho central está colocado o Senhor dos Passos.
No outro do mesmo lado estaria a imagem de Santa Escolástica e de São Vicente Ferreira. Actualmente está colocada a imagem de Jesus Ressuscitado mostrando o seu Coração.
Do lado do Evangelho, próximo do coro, estaria a imagem do Patriarca São Bento. No outro deste lado colocou-se uma imagem de Nossa Senhora da Piedade e um Santo Cristo Morto.
Situado sobre a porta principal, debaixo das duas torres sineiras, o coro teve como primeira peça nele colocada um quadro de 12 palmos com a imagem de São Bento de pé com o seu báculo na mão, que se situou no centro da parede interna do frontispício.
A par do quadro de São Bento, foram colocados mais 10 telas a óleo, antiquíssimas, e cujo autor não se menciona, que descrevem a vida de São Bento e Santa Escolástica.
Encomendado em 1758 juntamente com um órgão, o cadeiral do coro da Igreja de Bustelo, é referido por Robert Smith como um dos melhores conjuntos em talha ròcòcó do Minho, atribuindo a sua autoria ao mesmo entalhador que trabalhou para o Mosteiro de Tibães mas cuja identificação se desconhece.
Tendo-se construído uma varanda para se assentar o órgão, fez-se outra igual na parte oposta a esta e, para que a mesma fosse aproveitada, construiu-se um Altar novo com um painel de Nossa Senhora da Conceição.
O órgão de tubos, viria a ser levado para a Igreja da Misericórdia em 1834, segundo consta, já que este facto padece de falta de informação.
Só no início deste século se adquiriu um novo órgão de tubos que a igreja tanto merecia.
No decorrer das obras de reparação e restauro, iniciadas em meados do passado Séc XX (1957), ao ser retirado o sarrafão, no arco-cruzeiro, descobriu-se o brazão dos Beneditinos, em cantaria, com castelo, leão, báculo, mitra de Abade dentro de uma coroa.
Para esta obra de restauro, o Prelado transferiu para esta freguesia o rev. Pároco Celestino da Silva Ramos, que vindo de Gôve (Baião), ali dera mostras já do seu espírito empreendedor, e a direcção da mesma foi confiada ao Penafidelense engenheiro António Barbosa de Abreu.
A avaliar pela existência de inúmeros monumentos e valores arqueológicos e arquitectónicos que existem no Concelho de Penafiel, deve-se concluir que este «velho Concelho de Arrifana de Sousa» é, talvez, no género, um dos mais ricos do País.

Fonte: http://www.regional-editora.com


Portal AuToCaRaVaNiStA:
Grupo AuToCaRaVaNiStA Português
Copyright AuToCaRaVaNiStA - by jbmendes