Portal AuToCaRaVaNiStA - Grupo AuToCaRaVaNiStA Português - O SEU PORTAL DE AUTOCARAVANISMO INDEPENDENTE SEMPRE CONSIGO.

DIEPPE - SEINE-MARITIME - NORMANDIA - FRANÇA

Apontamento AuToCaRaVaNiStA:

Dieppe é uma cidade Francesa pertencente à Região Administrativa "Alta-Normandia", e ao Departamento de Seine-Maritime. A nossa chegada a Dieppe coincidiu com as comemorações do 1º desembarque das tropas aliadas em 19 de Agosto de 1942 na celebre operação Jubileu ou Rutter, e a reconquista da França aos nazis na operação Overlord em 06 de Junho de 1944 no celebre DIA D.



O enorme espaço relvado mesmo de frente para a praia de Dieppe estava todo ele engalanado com tropas trajados a rigor da época com os seus veículos de guerra e respetivos artefatos, não faltando até venda de diversos objectos pessoais da época, de tudo um pouco estava disponível para os interessados.
Aqui predominam os Canadenses, existe até um cemitério militar, tal como um pouco por toda a Região da Normandia, e que daremos conta aqui dos maiores, e que pertencem aos Americanos e aos Alemães.

                HISTÓRIA:

OPERAÇÃO JUBILEU OU RUTTER:
Foi a primeira tentativa de reconquista da França pelos aliados.
A batalha de Dieppe, também conhecida como Operação Jubileu ou Operação Rutter, foi um ataque dos Aliados ao ocupado porto de Dieppe, durante a Segunda Guerra Mundial. Este ataque aconteceu na costa norte de França, em 19 de Agosto de 1942. O assalto começou às 05:00 da manhã e por volta das 10:50 os comandantes aliados foram obrigados a bater em retirada.


Mais de 6.000 soldados de infantaria, a maioria do exercito do Canadá, que foram apoiados por grandes contingentes da Marinha Real Britânica e da Força Aérea Real. O objetivo era conquistar um grande porto de mar e mesmo para provar que isso era possível, e também para avaliar a resposta Alemã. Os aliados também queriam destruir as defesas costeiras, as estruturas portuárias, e todos os edifícios estratégicos, como casamatas bunkers e baterias.
Nenhum dos principais objetivos do ataque foi alcançado. Um total de 3.623 dos 6.086 homens que combateram em terra foram mortos, feridos ou capturados (quase 60%). A Força Aérea Real não conseguiu atrair a Luftwaffe em luta aberta, perdendo 96 aeronaves contra 48 perdidas pela Luftwaffe, enquanto a Marinha Real Britânica perdeu 34 navios.
A Operação chamada de “Jubilee”, e a incursão em Dieppe, foi a maior operação deste tipo levada a cabo durante a Segunda Guerra Mundial, isto antes da Operação Overlord. Dez grandes unidades militares tomaram parte – a maioria formada por tropas Canadenses. As perdas foram pesadas, e somente uma das formações cumpriu o seu objetivo, mesmo assim a operação teve êxito, já que respondeu a uma questão vital que vinha incomodando os Aliados desde Dukerke, já que perceberam que para derrotar Hitler e tudo que ele significava, teria que ser através de uma invasão da costa Francesa. A questão era: seria possível capturar um porto Francês durante os primeiros dias de invasão? A tentativa de capturar a costa em Dieppe, foi feita por seis batalhões e um regimento blindado da 2ª Divisão Canadense, desembarcando em Puys, Pourville e nas praias de Dieppe, e entre essas duas vilas. Porém, de cada lado da costa havia uma bateria de canhões de defesa, os quais eram capazes de fazer explodir todo o navio que se aproximasse da margem. Para lidar com esse problema, dois Comandos Britânicos foram enviados – o Nº 4 pelo oeste, para destruir as baterias em Vesterival-sur-Mer e Verengeville, e o Nº 3 pelo leste, para destruir os de Berneval.

OPERAÇÃO OVERLORD "DIA D":

Foi o nome código dado à Batalha da Normandia, ocorrida a 6 de Junho de 1944. Conhecida também por “Dia-D“, esta batalha representa o início da retomada Aliada de territórios na Europa Ocidental às forças nazis, na Segunda Guerra Mundial. Sob o comando do general Eisenhower, mais de 185.000 homens e 20.000 veículos aéreos, marítimos e terrestres desembarcam na Normandia, naquela que é considerada a maior operação anfíbia da história.
A decisão política sobre a invasão foi tomada após a derrota russa na Batalha de Estalinegrado. Estudos preliminares para a entrada dos Aliados em território conquistado pelos alemães vinham a ser feitos desde janeiro de 1943 num encontro entre o britânico Winston Churchill e o norte-americano Franklin Roosevelt, em Casablanca, em Marrocos.

Paralelamente, os britânicos mantinham a organização dos célebres “comandos”, cuja missão consistia em incursionar no litoral ocupado pelos alemães, para reunir informações, e ensaiar ao vivo, as técnicas de ataque. Finalmente, as forças aliadas, em nova reunião em Quebec, Canadá, decidiram realizar a invasão através da Normandia no norte de França. Exatamente às 4 horas da madrugada do dia 5, os líderes militares estavam reunidos no quartel-general de Eisenhower, em Southwick House Portsmouth, na Inglaterra. Cabia única e exclusivamente ao comandante supremo tomar a fatídica decisão. Depois de seu “ok”, a Operação Overlord teria início nos primeiros minutos do dia 6, com a aterragem dos pára-quedistas e planadores da 6ª Divisão Aérea Britânica, a Oeste do Rio Orne. A estes, seguiriam-se quase três milhões de soldados, que cruzariam o Canal da Mancha. Os exércitos envolvidos nesta grande operação militar tinham objetivos distintos, que consistiam na tomada de posse das praias, com o nome de código, Omaha e Utah, para os Americanos; Juno, Gold e Sword para as tropas Anglo-Canadenses.

Os soldados alemães apostavam na eficácia no seu “Muro do Atlântico“, a linha de defesa das tropas nazistas, que se estendia desde a fronteira franco-espanhola até à Noruega. O general Rommel havia previsto corretamente o local de desembarque das tropas aliadas, e acabou por tornar difícil a operação de desembarque, para não dizer sangrenta, causando muitas baixas entre os soldados Norte-Americanos e Anglo-Canadenses.


Apesar da feroz resistência nazi, as tropas aliadas conseguiram por fim estabelecer uma sólida cabeça-de-praia no litoral francês, que permitiu a entrada de mais tropas para continuar a retomada. As tropas Alemãs dispersaram-se ao longo da Bretanha em fortalezas costeiras e terrestres, tendo agora a guerra em duas frentes. Era o inicio do temor dos generais Alemães, e o princípio do fim de Hitler e do seu expansionismo pela Europa.
Traduções e arranjos de textos via internet: by jbmendes

PORTAL AuToCaRaVaNiStA:
www.autocaravanista.pt.vu - www.grupoautocaravanista.webs.com
Copyright AuToCaRaVaNiStA - by jbmendes