Portal AuToCaRaVaNiStA - Grupo AuToCaRaVaNiStA Português - O SEU PORTAL DE AUTOCARAVANISMO INDEPENDENTE SEMPRE CONSIGO.

DORNES - FERREIRA DO ZÊZERE - SANTARÉM


Apontamento AuToCaRaVaNiStA:
Dornes é uma Freguesia Portuguesa, pertencente ao Concelho de Ferreira do Zêzere, Distrito de Santarém.
Em Dornes saliento sobretudo a importância da Igreja medieval de Nª.Senhora do Pranto, que ficou muito conhecida pelo facto de a imagem deitar lágrimas. Fomos muito bem recebidos pela cicerone da terra que nos contou todos os pormenores daquela igreja, desde o Orgão de tubos reconstruído, bem como da Nossa Senhora do Pranto que se ergue no centro do altar, e que diz-se de quando em vez deita uma lágrima pelo canto do olho.


Terra muito antiga, será mesmo anterior à fundação da nacionalidade, como o atestam os monumentos e os vestígios arqueológicos que por aqui se têm encontrado. Já na primeira dinastia alguns documentos que lhe fazem referência, sendo documentada a presença de um religioso de Dornes no Foral de Arega, em inícios do século XIII. Ainda no século XIII há referências à Comenda Templária de Dornes. A Vila de Dornes situa-se numa pequena península à beira-Zêzere, no concelho de Ferreira do Zêzere. A freguesia de Dornes situa-se no extremo norte do distrito de Santarém, concelho de Ferreira do Zêzere.



Eclesiásticamente pertence ao Bispado de Coimbra e turisticamente está integrada na Região de Turismo dos Templários.
Mais tarde, no século XV, Dornes, enquanto Comenda Mor da Ordem de Cristo teve por Comendador D. Gonçalo de Sousa, homem muito influente, da Casa do Infante D. Henrique, e que aqui mandou construir, em 1453, a Igreja de Nossa Senhora do Pranto.





Este local de culto deu à povoação, parte da importância que esteve na origem, em 1513, da atribuição do Foral Manuelino. A Igreja terá sido edificada no século XIV, como consta de uma inscrição gótica. No seu interior, de uma vasta nave, encontram-se seis altares. Os parietais da nave e a empena do arco triunfal são forrados de azulejos de padrão azul e amarelo. A capela-mor é coberta por abóbada de caixotões com pinturas e azulejos de tipo enxequetados, azuis e brancos; o retábulo é de talha do final do século XVIII. Na nave existe um órgão de tubos, com varandim e púlpito, datado de 1544.
Fonte: www.wikipédia.com


Portal AuToCaRaVaNiStA:
Grupo AuToCaRaVaNiStA Português
Copyright AuToCaRaVaNiStA - by jbmendes