Portal AuToCaRaVaNiStA - Grupo AuToCaRaVaNiStA Português - O SEU PORTAL DE AUTOCARAVANISMO INDEPENDENTE SEMPRE CONSIGO.

GIMONDE - BRAGANÇA - PORTUGAL


Apontamento AuToCaRaVaNiStA:

Gimonde é uma pequena aldeia do xisto, aldeia fortificada no tempo proto-romano região de confronto entre Celtas e Romanos. Uma aldeia transmontana chamada de terra fria, encravada nas encostas da serra de montesinho, que faz ligação através de uma ponte romana chamada de ponte velha, por onde passa o rio Malara. Pena é ver muitas das habitações que pertencem a uma só família de Lisboa, e que não arranja, e não vende estes imóveis de xisto que estão a perder-se a cada dia que passa.


Gimonde com as suas 2 pontes
Casas do xisto para recuperar
Caindo estas velhas paredes nunca serão substituídas pelas novas com o grau de valor patrimonial, como a original. Com uma vista a perder-se no horizonte da serra do parque de Montesinho, a 4ª maior elevação de Portugal, onde se vislumbram os antigos pombais espalhados um pouco pela serra, alguns recuperados, outros em ruínas. Gimonde está bem servida no que toca à gastronomia, com os melhores restaurantes de fama na região de Bragança, e até com menção honrosa por parte da Câmara Municipal, pelo incentivo à fixação da população, e ao desenvolvimento da terra. 


Butelo com Casulas confecionado
O Butelo com Casulas a coser
Comprovo pessoalmente que estes restaurantes locais arrastam muita gente à procura da boa gastronomia transmontana, com a sua prata da casa "o butelo com casulas" Uma espécie de cozido à Portuguesa mas confecionado de outra forma. As casulas são feijões com casca. Come-se tudo.



Uma prova gastronómica que degustamos com muito prazer à mesa, e aconselhamos a quem visita Bragança. O Mês de Excelencia para o Butelo com Casulas é por altura do Carnaval, e até se faz o Festival correspondente. Quem andar por estas bandas nesta altura não deixe de ver os Caretos, espalhados pelas aldeias.
Mas Bragança tem muito para dar aos seus visitantes, da gastronomia  dos enchidos, à morcela com mel que dá sempre aquele toque especial ao palato, o cordeiro grelhado, ou o cabrito do monte, são tudo iguarias a não perder.
- Bragança - Terra Fria - Terra de boa gastronomia -



              HISTÓRIA:
Gimonde / Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto nº 29/90, DR, 1.ª série, n.º 163 de 17 julho 1990.

Povoado fortificado de Gimonde / Castro de Gimonde / Aldeia do xisto de Gimonde / Ponte velha de Gimonde / Igreja de Gimonde
Aglomerado proto-urbano. Povoado da Idade do Ferro com ocupação romana. Castro. (IPA.00000553)
Gimonde, Portugal, Bragança


Existe pouca leitura sobre a História de Gimonde, um dos textos que encontramos é da autoria do Cónego Belarmino Afonso, que transcrevemos aqui:
“Com este pequeno artigo, proponho realçar os valores culturais e históricos de uma zona que goza dos privilégios da aldeia e dos benefícios da cidade. Gimonde lembra-nos um antropónimo. Assim o afirma o Abade de Baçal. Em vez da forma actual, reveste as seguintes grafias: Jamundy, Gernundy, Gemundus. É um nome de pessoa, vulgar na Idade Média.

Gimonde não apagou ainda as marcas culturais que diversos povos ali deixaram. São o sinal da amenidade e produtividade do local. A água, a terra, a lenha, ainda hoje constituem factores de fixação. Quando os romanos aqui chegaram, encontraram a oposição dos celtas e de outros povos habitantes dos castros. O planalto do Guieiro e o vizinho castro da Sapeira constituíram unidades de colonização pré-histórica. Para anular a sua influência usaram os romanos da estratégia militar. A calçada romana serviu de meio de comunicação com Astorga e também para isolar os que tinham escolhido os pontos altos como lugares de defesa.

Mais do que um ponto de passagem, Gimonde constitui, desde a pré-história, e também para os romanos, lugar de sedentarização. A confluência dos três rios, as veigas e as orretas que estas linhas de água e respectivos declives determinaram influíram na sedentarização. Os vestígios arqueológicos testemunham o interesse das gerações pela influência dos três rios. O marco milenário (séc. III), dedicado ao imperador romano Cloro, uma estela funerária, vestígios de minas, testemunha a profunda romanização do local. A própria toponímia, castelares e marrão, realçam esse passado histórico que existe no evoluir de qualquer instituição social.

O relevo alcantilado das margens do Sabor e rios adjacentes lembram-nos as convulsões geológicas de tempos pré-históricos. Lá em baixo, junto da Quinta das Covas, o rio Sabor teve de descrever meandros sucessivos para romper caminho na sua caminhada lenta ao encontro do Rio Douro, no Pocinho.
As invasões bárbaras do séc. VI, principalmente dos visigodos e suevos, poucos vestígios aqui deixaram. Foi um modo de vida agrícola e pastoril, que a Idade Média herdou da pax romana. 


As estelas funerárias de Castro de Avelãs, Bragança, Donai, Babe e Meixedo, sem excluir a exploração mineira da aldeia de França e Portelo, atestam uma estada longa, quase de cinco séculos. Com a colonização romana pós-cristã veio-nos o influxo dessa civilização. As calçadas romanas sentiram o rodado dos carros romanos e o tilintar das lanças das suas legiões. No meio das centúrias e de outros funcionários administrativo veio também o germe da fé cristã. Cremos que no séc.VI a igreja e a sua organização paroquial já aqui estava implantada. Nossa Senhora da Assunção, a antiga Santa Maria, e Santa Columbina, a quem se faz festa anual, são indícios de uma paroquialidadeque vem já da alta Idade Média.


Os documentos referem que a “vila de Jenzundy esiforaria regis” (ver Inquirições, in Memórias, Abade de Baçal, Vol. III, p. 316). Esta “vila” de Gimonde, assim como as de Vila Meã e Deilão, também referidas nas mesmas Inquirições, são formas de exploração e ocupação da terra, tipicamente medievais. Ao lado das vilas, há também os vilares, casares, quintas e quintelas. São divisões diferentes que o povo fez no ager publicius. Ainda hoje existem os terrenos baldios, os prados, que os concelhos medievais reservaram, onde o cabaneiro podia cortar lenha, guardar o gado ou apanhar caça.


Os moinhos, a forja e o lagar, por vezes comunitários, prolongam até hoje uma forma de economia comunitária, onde a solidariedade, a que antes se chamava comunitarismo, supria as carências económicas de quem aprendeu a viver com pouco. A vinha, algumas oliveiras, a castanha, a criação de gado, o pombal, correspondem a uma ocupação do solo, que desde as gerações mais remotas quase não sofreu interrupção.



Novos horizontes económicos despontaram já para esta aldeia. Gimonde de hoje é a herdeira dessa outra que no séc. XVI(13.11.1538) ousou pôr perante o corregedor do rei, uma questão contra os moradores da “bylla de Bragança”, porque estes quiseram fazer “huuma coitada dessa villa per o ryo ssavor até a ponte que esta no camynho que vay para o castello douteiro”.
Dispersou-se o aglomerado populacional à beira da linha d’água. Nela se espelha a ponta dos negrilhos, já secos, sobre um morro xistoso, é testemunha de uma mensagem de esperança. 

De onde em onde, escaleiras exteriores recordam uma arquitectura cinzenta, tradicional. Lá estão ainda as fontes de mergulho, cavadas na rocha, a lembrar tipos de vida muito diferentes, com murmúrios de namoradas a amenizar o quotidiano. A ponte românica, levemente arqueada, é a testemunha mais silenciosa de todo esse passado. Na ponta de negrilho, já seco e que teima em manter-se em pé, penteia-se todas as manhãs um casal de cegonhitos, acessorados pelo casal de pais, bem conchos dos filhotes que geraram. Em baixo, no prado, um ou outro turista arrumou a rolote ou a tenda, fugindo ao bulício de cidades distantes.

No Outono, que se promete algo fresco e saudoso do Verão, vêm os caçadores e pescadores à procura desse mundo perdido, onde a realidade e o sonho deixaram marcas quase a desaparecer deste mundo rural que temos de recriar. Tornem-se os rios mais limpos, onde a água não se envergonhe do leito e das margens por onde correm. Florestem-se as arribas, povoem-se os montes de caça, extingam-se os incêndios. Então, sentiremos todos que o “paraíso perdido”, com pássaros e orquestras naturais, há-de voltar.


Fotos e introdução - by jbmendes
Fonte Históriac: Conégo Belarmino Afonso

Portal AuToCaRaVaNiStA
Grupo AuToCaRaVaNiStA Português
Copyright AuToCaRaVaNiStA - by jbmendes