Portal AuToCaRaVaNiStA - Grupo AuToCaRaVaNiStA Português - O SEU PORTAL DE AUTOCARAVANISMO INDEPENDENTE SEMPRE CONSIGO.

TOMAR - SANTARÉM


Apontamento AuToCaRaVaNiStA;
Tomar é uma Cidade Portuguesa, pertencente ao Distrito de Santarém. Conhecida como a cidade dos Templários, é uma cidade medieval, com muita história, e muitos monumentos para visitar.
Aconselhamos a visita, ao Castelo, em muito bom estado de conservação, ao Convento de Cristo, visita indispensável, igualmente à Igreja Matriz de S. João Batista. Estes são os mais importantes, mas há muito para visitar neste território. Para os Turistas Estrangeiros que visitam todos os dias este Portal, é imperioso que ao visitarem Portugal, não deixem de visitar Tomar. 
          


              HISTÓRIA:

Cidade localizada nas margens do rio Nabão, pertencente ao distrito de Santarém na província do Ribatejo, com uma área de 351 km2 e 41.537 habitantes, foi conquistada ao Mouros por D. Afonso Henriques em 1147 sendo depois doada por este monarca aos Templários em 1159. A 1 de março de 1160 foi fundada Tomar com o início da construção do castelo. D Gualdim Pais concedeu-lhe foral em 1162.


Com a extinção da Ordem do Templo em 1312 por decisão do Papa Clemente V, que queria ver os templários banidos da Europa, foi fundada a Ordem de Militar de Cristo. Devido à necessidade de defender a fronteira algarvia, a sede desta Ordem transferiu-se para Castro Marim. Trinta e sete anos depois, voltou a fixar-se em Tomar mais concretamente no seu castelo.
Assim Tomar viria a ser o centro originador e principal sustentador da epopeia dos Descobrimentos. 


O Infante D. Henrique, nomeado pelo Papa como Regedor da Ordem de Cristo, viria a instalar-se no castelo de Tomar.
Foi elevada à categoria de cidade em 1844, tendo sido visitada pela Rainha D. Maria II no ano seguinte. Tomar é hoje conhecida não só pelos seus monumentos fabulosos, dos quais se destaca o Convento de Cristo, mas também pelas suas potencialidades turísticas que proporciona a visita de inúmeras edificações históricas, relíquias arqueológicas, passeios pelos seus frondosos e frescos jardins e também ao longo do rio Nabão...


             CASTELO:
Fundado no século XII, depois de cuidadosa escolha de sítio, tinha a finalidade de ser cabeça da Ordem do Templo e de consolidar a posse de territórios reconquistados mas não seguros. Estudaram o assunto dois notáveis estrategos, companheiros de armas e e amigos - D. Afonso Henriques e Gualdim Pais, 2º Mestre da Ordem do Templo.
Era necessário defender a velha estrada romana de Santarém a Coimbra e evitar aos muçulmanos possíveis travessias do Tejo, ameaças imediatas a Santarém e Lisboa.

Aproveitou-se na construção muita pedra da cidade-morta de Além da Ponte, a Sellium romana, na margem fronteira do Nabão. Este castelo revela a mais avançada arquitectura militar da época, a que se realizava na Terra Santa, trazida por Gualdim Pais e outros cavaleiros Templários - duas cintas de muralhas, o emprego conjunto de torres redondas e cubelos, semelhanças de portas de muralhas, a maravilhosa Charola inspirada no Templo de Jerusalém.


Em 1190, com o intuito de retomar Silves, o emir de Marrocos à frente de grande exército acrescido de tropas dos reis andaluzes, deixou cercada aquela grande praça algarvia e avançou para o norte, cruzou o Tejo, cercou Santarém com o rei D. Sancho I dentro, destroçou Torres Novas e Abrantes e dispunha-se a fazer o mesmo a Tomar. 


Mas ao fim de seis dias os Templários mantinham invicto o castelo, onde se refugiara a população, e causavam tremendas baixas aos mouros, principalmente quando estes conseguiram forçar a porta do sul (Porta de Almedina) e entrar aos milhares na cerca exterior. Num imediato contra-ataque os cristãos repeliram os islamitas com tal ímpeto que a porta do assalto e da fuga dos inimigos passou a ser conhecida como Porta do Sangue.

Foram-se, mas antes arrasaram a vila.

Mais tarde a Ordem dos Templários deu origem à Ordem de Cristo que viria a ser extinta em 1834, que acabou por transformar esta rara obra de arte em casas de aluguer, currais, refugio de ladrões. Do precioso recheio continua-se hoje sem nada saber.
Fonte: www.tomar.com.sapo.pt



Portal AuToCaRaVaNiStA
Grupo AuToCaRaVaNiStA Português
Copyright AuToCaRaVaNiStA - by jbmendes