Portal AuToCaRaVaNiStA - Grupo AuToCaRaVaNiStA Português - O SEU PORTAL DE AUTOCARAVANISMO INDEPENDENTE SEMPRE CONSIGO.

SAMEIRO - PENAFIEL


Apontamento AuToCaRaVaNiStA:


O Santuário do Sameiro está situado muito próximo do centro de Penafiel, o seu acesso pode-se fazer com facilidade a pé através do Centro Histórico da cidade de Penafiel.
O Santuário do Sameiro de Penafiel, embora tenha o mesmo nome do Santuário do Sameiro de Braga, contudo cada um tem o seu interesse, e as suas diferenças, são ambos de arquitetura religiosa de relevo Nacional.
Esperamos brevemente colocar a reportagem fotográfica em Slide.



SAMEIRO - PENAFIEL:
Proeminente sobre a cidade e o Vale do Sousa, foi construído nos finais do séc. XIX, início do séc. XX, aquando da construção do Santuário a Nossa Senhora da Piedade e Santos Passos, o Parque Zeferino de Oliveira, mais conhecido por Jardim do Sameiro. Seguindo a estrada principal em direcção a Amarante, ao longe avista-se a imponente fachada que surge isolada, dominando os terraços ajardinados que esculpem a paisagem. Percorremos uma pequena avenida pavimentada em cubos de granito, que sobe ligeiramente até à encosta que antecede o Santuário. A composição é imponente e atraem-nos os grandes degraus cinzentos, limitados por um invulgar murete ondulado, que nos levam até ao patamar da igreja. A mestria da composição da encosta permitiu que todos os elementos - o santuário, a escadaria, os canteiros, a fonte - fossem dispostos em sucessão perfeita dignificando o espaço. A escadaria dá acesso ao parque, mas o trajecto tem ainda que aguardar, pois mais forte é a vista que se desvenda dali. Uma admirável panorâmica da cidade e do Vale do Sousa. O som da água vem de uma fonte talhada no muro em alvenaria. Mais ao lado, uma outra, deita pequenos fios de água para um lago ondulado. Relativamente ao jardim, o Parque do Sameiro é um exemplo da escolha perfeita do lugar. A sua construção estratégica tira partido das melhores vistas, revelando a mestria dos nossos antepassados na arte de projectar jardins. Implantado num espaço baldio, com uma presença quase cenográfica sobre a paisagem arborizada, o santuário, muito comum na época, tira grande partido da vista. A fachada principal abre-se sobre a paisagem envolvente de todo o vale. Observando a cidade a partir do adro, surge em primeiro plano o jardim. O jardim desenvolve-se ao longo de vários patamares, acessível por escadas que nos conduzem até canteiros bem mantidos, limitados por sebes de buxo topiado (Buxus sempervirens). No interior dos canteiros, as plantas anuais dão cor e alegria ao cenário verde do buxo e das sebes em ligustro (Ligustrum ovalifolium) que contornam a escadaria principal e uma panóplia de herbáceas e arbustos, tais como rosas, azáleas, rododendros e camélias compõem os canteiros. Ao desenvolver-se na encosta, a composição em terraços permitiu uma distinção de espaços. É assim que também se encontra distribuída a área a nascente do Santuário, onde vamos encontrar uma espécie de bosque. Seguindo por um dos caminhos que parte da avenida ao fundo da escadaria principal, entramos no parque, onde a água cristalina que brota de uma fonte e alimenta o lago, vem novamente marcar a sua presença. Continuando o percurso, somos surpreendidos pelos contrastes da luz e da sombra de árvores centenárias. A riqueza florística das plantas exóticas é bem patente neste jardim onde se destacam alguns exemplares de, Platanus hybrida, Tilia platyphylos, Washingtonia robusta, Camelia japonica entre outras árvores de grande porte e algumas topiárias de buxo, ciprestes e ligustro. Estes exemplares, juntamente com espécies da flora mediterrânea, como o carvalho (Quercus), o bordo (Acer), servem de enquadramento a um cenário de jardim romântico com influência nitidamente inglesa. Continuando o trajecto para o interior do parque podemos desfrutar de estruturas construídas mais imponentes como: mirantes, namoradeiras, bancos em pedra, dois coretos em alvenaria e um grande lago ondulado. Inserido harmoniosamente na paisagem, encontra-se no centro do jardim, na margem do lago um bar. O Bar do Lago é um edifício de linhas arquitectónicas modernas, com estruturas em granito, aço e vidro que assumem uma ligação espacial intensa com o exterior. Este local tem uma forte ligação às tradições do concelho. Num passado não muito distante, o lago era o palco da famosa Festa do Lago que atraía milhares de jovens ao local. Os jardins têm vindo a ser mantidos ao longo dos anos, no entanto, alguns espaços foram recentemente sujeitos a um projecto de recuperação, fazendo parte dessa intervenção, a manutenção dos jardins e um arranjo urbanístico. Neste sentido, foram construídas novas zonas de aparcamento, efectuado o melhoramento da iluminação pública, colocado mobiliário urbano e construído um espelho de água.

Portal AuToCaRaVaNiStA:
Grupo AuToCaRaVaNiStA Português
Copyright AuToCaRaVaNiStA - by jbmendes