Portal AuToCaRaVaNiStA - Grupo AuToCaRaVaNiStA Português - O SEU PORTAL DE AUTOCARAVANISMO INDEPENDENTE SEMPRE CONSIGO.

BILBAO - BISCAIA - ESPANHA



Apontamento AuToCaRaVaNiStA:

Bilbao é uma cidade Espanhola da Provincia de Biscaia, Região Autónoma do País Basco. Tem no seu Ex Libbris o Museu de Guggenheim da autoria de Frank Gehry, um edifício vanguardista desta cidade de Bilbao. 

Conhecida também pela cidade do ferro, foi um elo importante de desenvolvimento na altura da revolução industrial em 1841, que a tornou como a maior região industrial de Espanha ao par de Barcelona. 
Bilbao é atualmente mais dedicada aos serviços, é cosmopolita, continua a sua expansão como uma das grandes cidades do Reino de Espanha.



Para visitar esta cidade não é fácil o aparcamento das autocaravanas, contudo, e com um pouco de experiencia, e com algumas voltas de reconhecimento, arranjamos um belissimo sitio junto a um parque da cidade, a cerca de 1000 m do Centro Comercial, do Estádio do Bilbao, e a 100 m da paragem do autocarro que nos levou a visitar o Casco Velho da cidade. Com o sistema de parquimetros a funcionar na perfeição, pagamos a tarifa diária das 8H00 às 20H00, cerca de 4,00€ com permanencia para a pernoita grátis. E assim visitamos a cidade de Bilbao sem stress.

               HISTÓRIA:
Uma pesquisa de historiadores e arqueólogos concluiram que a população de Bilbao existia nas margens do estuário antes de sua fundação como uma cidade em 1300. Esses assentamentos eram parte do que conhecemos hoje como Bilbao la Vieja (Docas de la Merced e Marzana e Calle San Francisco), bem como na margem direita do rio, onde havia um povoado marinheiro com carácter comercial. Neste ponto, podemos agora visitar a Igreja de San Anton, onde você pode ver restos das muralhas medievais de Bilbao, e a ponte com o mesmo nome, um símbolo dos dois bancos que moldaram a cidade.


Este "Bilbao primitivo" beneficiou da sua localização na parte inferior do estuário Ibaizabal, em uma área plana perto do nível do mar com uma enseada natural para atracar barcos. Além disso, era muito perto das minas de ferro Mirivilla, foi elo de comunicação para regiões próximas a Plateau, um nó dos caminhos do litoral da Cantábria e do Caminho de Santiago. Diego Lopez de Haro fundou a Villa de Bilbao a 15 de junho de 1300. 



Uma década depois, Maria Diaz de Haro, sobrinha de Don Diego e nova Senhora de Vizcaya, concedeu uma nova carta colonial que oferecia mais privilégios comerciais à Villa, dando um passo importante a todo o comércio de Castela em direção ao mar.
Em 1372 Juan I de Castela decreta que as entradas e saídas de mercadorias da Villa ficam isentas de imposto, concentrando-o no transporte de ferro. Dadas estas circunstâncias, historiadores e cronistas concordam que o desenvolvimento económico, social e urbana de Bilbao foi rápida e foi baseada no comércio, o porto, no mercado semanal, e o ferro Mirivilla (Miravilla).

Ao longo dos séculos XV e XVI Bilbao consolidou sua posição comercial, tornando-se o mais importante centro económico de Biscaia. Este crescimento económico foi acompanhado por um aumento acentuado na população. O "Bilbao Primitivo", que surgiu com três ruas: Somera ou Goiencalle (rua acima), Artecalle (rua "no meio" ou maior) e Tendería referentes à atividade e à aliança que desenvolveu. Em meados do século XV, no coração de Casco Viejo, expande a sua parte mais antiga com quatro outras ruas, que dão origem às "Sete Ruas", o nome dado ao centro histórico de Bilbao. 


Na mesma área da Catedral de Santiago foi construído, um templo, substituindo a antiga capela dedicada ao Apóstolo. O templo, de estilo gótico, é um dos mais emblemáticos da cidade.
Estas extensões, que foram vítimas de incêndios e inundações que destruíram a maior parte da casa da torre, e da antiga muralha que rodeava Bilbao na sua Fundação. No entanto, hoje podemos descobrir alguns dos seus restos nas ruas. Hoje, essas ruas perpendiculares são obrigação para quem visita a cidade, para descobrir os encantos desta região.


Outra peculiaridade do "Capacete" são as ravinas. São aberturas estreitas entre as casas. Essas ruas estreitas foram usadas na Idade Média para melhorar a ventilação dos edifícios, para que a saída da água da chuva, escorra através das janelas. 


Na Cidade Velha, há quinze ruas, a maior medindo cerca de um metro de largura, outros não ultrapassam 40 centímetros, e são acessados ​​por portas pequenas que estão nos cantões. Para entrar é necessário pedir a chave à comunidade.


Fonte: www.bilbaoturismo.net
Tradução: Google
Arranjos: jbmendes


Portal AuToCaRaVaNiStA
Grupo AuToCaRaVaNiStA Português
Copyright AuToCaRaVaNiStA - by jbmendes