Portal AuToCaRaVaNiStA - Grupo AuToCaRaVaNiStA Português - O SEU PORTAL DE AUTOCARAVANISMO INDEPENDENTE SEMPRE CONSIGO.

S. DOMINGOS DA SERRA - RAIVA - CASTELO DE PAIVA

Apontamento AuToCaRaVaNiStA:


O Monte de S. Domingos pela sua altitude dá uma amplitude de visão espetacular sobre o rio Douro e toda a sua envolvencia. Capela devoto a S. Domingos da Serra, é habitual fazer-se uma peregrinação a pé de gente de toda a região circundante a Castelo de Paiva, como por exemplo Santa Maria da Feira ou mesmo Arouca etc.
Dispôe de um parque de merendas numa zona bem ajardinada e agradável. A torre sineira tem uma particularidade que é a de vários sinos colocados numa torre em ferro de vários tamanhos uns por cima dos outros externo à torre da Capela.




HISTÓRIA DE:  S. DOMINGOS DA SERRA:


Freguesia de Raiva – Concelho de Castelo de Paiva:
Festa Maior: 4 de Agosto
Outra festa: 7 e 8 de Setembro

Desconhece-se a data de fundação do templo que tem como orago São Domingos de Gusmão. Segundo alguns estudiosos, o facto do local ser também conhecido como São Domingos da Queimada deriva do facto do culto ao santo ter-se iniciado em Fontelo, concelho de Armamar, onde existia um santuário dedicado ao santo desde o século XI, e local de importante romaria medieval. O templo sofreu uma importante remodelação no início do século XX. A romaria de Agosto atrai muitos milhares de romeiros. Durante a noite de 3 para 4, come-se o “bife santo” segundo tradição antiga. No dia 4, realiza-se uma procissão da Capela da Senhora das Amoras até ao templo. De salientar a Torre sineira,(Vêr Fotos) e a vislumbrante paisagem em altura, com o Rio Douro em fundo.

              CULTURA:

Conheça um pouco da cultura da nossa terra... O folclore é a expressão popular da arte nas manifestações puras de alegria da nossa gente. Traduz-se em canções, em danças, em descantes ou em mistos de coreografias e música harmoniosa e folgazã. Castelo de Paiva é uma terra de encanto e alegria e o seu povo é hospitaleiro e alegre. Talvez por isso, o seu folclore, que evoca antigas tradições, se apresente com muito ritmo. Há nele danças típicas e populares, com tons mais ou menos expressivos e de colorido atraente, nos cambiantes da alma do nosso povo. Seja através da chula, do vira, do malhão ou do verde- gaio, a alegria popular revela sempre um sentimento elevado, que dá vida à terra e às gentes de Paiva. Se nas danças do nosso folclore há ingenuidade e beleza, também é certo que nelas há o encanto que ilumina a ideia e o gesto dos pares. O trajo típico de cada rancho folclórico é complemento curioso do quadro coreográfico e identifica-se, em muitos casos, com a actividade agrícola que predomina no concelho. As mulheres usavam um traje modesto, com saia muito rodada, em tom escuro, blusa clara, lenço de cores vivas, xaile preto e socos ou chinelos. Os homens, para além da indumentária orientada para a actividade agrícola, usavam também fatos vulgares, antigamente feitos em linho, mais usado nas camisas. A riqueza etnográfica e a pujança do folclore do Douro Litoral justificam a existência de cinco ranchos folclóricos no concelho: o Rancho Folclórico de Castelo de Paiva, o Rancho Folclórico de S. Martinho, o Rancho Folclórico da Nª Sr.ª das Amoras, o Rancho Folclórico de Bairros e o grupo de Danças e Cantares de S. Pedro do Paraíso.

Outro evento de grande relevância na região é a Feira do Século XIX, que em Setembro se realiza no Parque das Tílias, em Sobrado, sob a égide da ADEP, com o apoio municipal. Trata-se de uma excelente oportunidade para apreciar a gastronomia de tempos mais recuados, as tradições e costumes de outrora, recriadas com o apoio das associações e dos ranchos folclóricos locais. Castelo de Paiva sempre foi terra de grandes festas e romarias que, em muitos casos, fazem concentrar milhares de peregrinos em torno de bonitas igrejas e capelas situadas no alto de montes, como é o caso de festividades em honra de Santo Adrião, no final de Maio, e S. Domingos da Serra, a 4 de Agosto, não podendo ser esquecidas as de S. João, com as marchas populares e, em meados de Setembro, a grandiosa romaria de Stª Eufémia, uma das maiores festividades da região norte. Mas convém não esquecer a Feira do Vinho Verde, Gastronomia e Artesanato, uma iniciativa municipal, que no primeiro fim-de-semana de Julho, arrasta milhares de visitantes à sede do concelho. Na freguesia de Bairros merecem destaque as tradicionais festas em honra de Nª Sr.ª dos Aflitos, no primeiro Domingo de Julho, na capela da Ladroeira, e S. Lourenço, no segundo Domingo de Agosto, a mais conceituada da freguesia, apresentando uma das melhores noitadas do concelho e uma feira de gado sempre muito concorrida. Já em Fornos, a freguesia festeja o Stº António e a Sr.ª da Boa Viagem, como principal romaria local, justificando, por isso, o apaixonado bairrismo da população, que acredita na lenda dos pais de Stº António, que possivelmente viveram na Quinta da Serrada, ao mesmo tempo que a tradição dos transportes fluviais no Cais do Castelo, onde outrora os rabelos atracavam, cativava outros devotos. No entanto, o padroeiro da freguesia é S. Pelágio, que se comemora numa festa religiosa no primeiro fim-de-semana de Julho. De todas as freguesias, S. Pedro do Paraíso é aquela que apresenta maior número de santos e mártires, logo maior número de romarias. Como curiosidade, fica a saber-se que em quase todos os lugares da freguesia se realizam festas religiosas e que todas têm capela em honra do seu santo. A romaria da Stª Eufémia tem data fixa, realizando-se a 14,15 e 16 de Setembro, sendo a mais importante festa profana / religiosa do concelho, arrastando àquele lugar milhares de forasteiros oriundos de várias regiões do país, atraídos pela devoção mas também pela famosa gastronomia local e pelo vinho novo. A festividade integra, também, um certame dedicado ao gado bovino, com a participação dos melhores exemplares da raça arouquesa, que desfilam em concurso nacional. Em Pedorido, freguesia limite do concelho, festeja-se a Stª Eulália, a padroeira local, o Stº António, o Santo Isidro, no lugar da Póvoa, o S. Pedro, em Gaído e a Santa Bárbara, a santa predilecta dos mineiros, que no tempo da exploração carbonífera tinha, na freguesia, um culto mais alargado.

Na freguesia da Raiva têm lugar duas das mais importantes e concorridas romarias do concelho: o S. Domingos da Serra que se festeja a 4 de Agosto, num espaço aprazível e deslumbrante, agora enriquecido com um monumental carrilhão, e a Srª das Amoras, que se promove em Oliveira do Arda, nos dias 7 e 8 de Setembro. Também não podem ser esquecidas, nesta freguesia do Couto Mineiro, as festas em honra de S. Lourenço, em Folgoso, em honra de S. Caetano, em Serradelo, em honra de Stº Ildefonso, em Gondarém, o S. João, na Raiva e o S. José, no ribeirinho lugar de Midões. A freguesia de Real tem na sua secular igreja um verdadeiro ex-libris concelhio e no último Domingo de Agosto, realiza-se a Sr.ª da Saúde, uma festa bastante participada pela população. Porém, numa das capelinhas mais belas do concelho, situada a uma altitude considerável, realiza-se a tradicional festa em honra de Stº Adrião, sendo de recordar, ainda, os festejos em honra de S. Gonçalo, em Nojões, S. José no lugar do Gilde e Stª Marinha, no lugar do Adro. Apesar de ser a mais populosa freguesia do concelho, Santa Maria de Sardoura não é a que apresenta mais festividades. Merece, no entanto, particular destaque a festa em honra de Nossa Senhora da Assunção, a 15 de Agosto, na Igreja Paroquial, assim como o Santo Antão, no final de Janeiro, festa popular do " advogado " dos porcos, onde a principal atracção são os concorridos leilões dos presuntos, unhatos e enchidos. Há, ainda, a romaria da Senhora do Vale, no 3º Domingo de Agosto, na zona de Sá, um evento religioso que foi sendo assumido pela população local. A mais pequena freguesia do município, S. Martinho, tem S. Braz como seu padroeiro, cuja festividade se realiza no primeiro Domingo de Maio. A sede do concelho, Sobrado envolve a zona urbana da Vila e periferia, e tem diversos festejos que a caracterizam cada vez mais. Grandiosa é a romaria que festeja um dos santos populares, S. João, cartaz turístico do concelho, que até dá direito a feriado municipal (24 de Junho), numa manifestação que se renova todos os anos, com as marchas populares infantis e dos quatro lugares mais característicos da vila (Gração, Frutuária, Fonte e Vale da Rua), a serem o grande cartaz, juntamente com o folclore e os concertos das bandas de música do concelho, sem esquecer a festa da sardinha assada, distribuída gratuitamente à população. Para além da festa religiosa do Corpo de Deus, oportunidade para a realização das cerimónias da comunhão, a Senhora dos Milagres, festa profana e religiosa, que está a renascer com grande brilho, fruto do trabalho de uma jovem comissão, tem lugar na Igreja Paroquial e realiza-se entre 15 e 17 de Agosto, sendo muito participada pelos emigrantes, em férias nesta ocasião.

Fonte: C.M.Castelo de Paiva e Rota do Românico


Portal AuToCaRaVaNiStA:
Grupo AuToCaRaVaNiStA Português
Copyright AuToCaRaVaNiStA - by jbmendes